Tenho tanto a dizer.
Como posso ter me afastado desse espaço que me faz tão bem?
Por diversas vezes tentei sentar-me frente esta tela e desabar em letras tudo o que se transformava em minhas entranhas. Não fui capaz.
Antes de dormir, no momento de preguiça pela manhã, durante a ida e volta ao trabalho, as situações que surgem e as confusões que habita dentro do meu universo.

Poderia detalhar cada gesto e emoção. Me sinto bem com as palavras, ainda temos um bom relacionamento.
Mas o vento soprou por muito, contrário. Naturalmente preferi tratar mentalmente o que poderia descarregar entre teclas e sinais a ânsia e angústia sentida diante de minhas confusões personificadas.
Alegorizar meus desatinos faz sentir-me plena.
Após subentendido irei manter o objetivo pelo qual criei este espaço, quero delinear minhas quimeras de modo que possa saciar meu mundo irrepleto.


"Me perco, me procuro e me acho. E quando necessário, enlouqueço e deixo rolar..."
Clarice Lispector.

4 Revelações:

Priscila Rôde disse...

Como pode ter se afastado desse espaço que te faz tão bem? rs
Não se afaste do que te faz bem! - me repito sempre isso pra que eu não me afaste do meu eu anterior ou posterior a mim.
Perca tudo mas, não se perca.

Beijo.

Eloisa disse...

Delinear quimeiras. O teu avesso te revela muito mais. Deixa perder, e te encontre só no último rodopio!

Um beijo, querida.

Rosemildo Sales Furtado disse...

Para essa tua pergunta, somente tu tens a resposta. Se o espaço te fazia tão bem, por que o abandonasses? Te permitas alguns momentos de reflexão e, com certeza, chegarás à resposta. Espero que continues para que nós, os teus leitores, continuemos nos deliciando com tuas belas criações.

Beijos,

Furtado.

Chrys Santanna disse...

*------------* Sou Sua Fã SOOOOOOU SUA FÂ! qe coisa mais linda, Parabéns menine :')

Postar um comentário